segunda-feira, 11 de junho de 2012

Peneireiro-das-torres (Falco naumanni) The Lesser Krestel



EXIF

1/3200s, f/5, ISO800
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 150mm
Canon EOS 7D

São 18:00 H em ponto e há 12 horas que estou dentro do abrigo à espera que um dos 4 Rolieiros que "habitam" nas proximidades, decida descer até ao poleiro que preparei  antecipadamente. O cartão de memória continua vazio tal como as minhas expectativas para o resto do dia.
As horas de maior calor passaram e das aves nem sinal. É natural que isso aconteça, pois procuram árvores com vegetação frondosa que lhes proporcionem sombras e consigam recuperar para mais uma etapa de alimentação às crias que já reclamam ansiosamente no ninho. 



EXIF

1/2000s, f/8, ISO640, -0.3Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D

Estou a 60/70 metros da estrutura de adobe que em tempos serviu de celeiro e que hoje é a residência  de 2 casais de Rolieiro e 4 ou 5 casais de Peneireiro-das-torres. É comum partilharem o mesmo local de nidificação  e mesmo território para caçarem as suas presas.Para além de serem relativamente raros no nosso país, são espécies que se assemelham em muitos pormenores da sua biologia.
 


EXIF

1/2500s, f/8, ISO320, -0.7Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D

De qualquer forma a logística  que tinha empregue tinha sido dedicada à fotografia do Rolieiro e eis que senão quando, sem muita coisa o fazer prever, aparece este macho a sobrevoar o local onde estava. Peneirou alguns instantes como se algo lhe tivesse prendido a atenção e mergulha no pasto alto desaparecendo por instantes. Fiquei na expectativa após alguns disparos, mudo rapidamente duas ou três definições da minha máquina e aguardo que a furtiva ave abandone o local com alguma presa nas garras ou no bico. Normalmente, este ritual de "mergulhar" e apanhar um gafanhoto (que é a base da sua alimentação) saindo para o ninho, demora apenas alguns segundos mas não foi o caso. Demorou certamente 2 minutos que a mim me pareciam horas com o corpo tenso sobre a máquina e o dedo trémulo no disparador. Sabia que podia ser uma oportunidade única para o fotografar e como sempre acontece nestas situações a ave disparou na precisa altura em que tirei o olho do viewfinder para olhar com pormenor pela janela do abrigo.



EXIF

1/4000s, f/8, ISO640, -0.7Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D

Felizmente a ave disparou do solo para voltar a peneirar à minha frente viajando ao ninho por breves instantes e  voltando para uma "caçada" ainda mais perto do local onde estava, permitindo-me fazer algumas das imagens que estão publicadas neste artigo. Aproveitando o facto de serem aves bastante estáveis enquanto peneiram, consegui cortar poucas imagens e encher frames com imagens de pura acção deste macho que ao longo das duas horas seguintes me presenteou com mais algumas visitas, chegando mesmo a pousar no poleiro à minha frente durante largos instantes.



 EXIF

1/1250s, f/8, ISO320, -0.7Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D


Esta bela rapina que se encontra ameaçada pela perda de habitat  resultantes da intensificação agrícola viu as suas populações crescerem lentamente nos últimos anos. São animais que vivem em colónias e em Portugal esses núcleos concentram-se quase na totalidade no Alentejo.

  

EXIF

1/3200s, f/8, ISO640, -0.7Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D

 Apesar de não se tratar do meu objectivo principal acabou por me fazer esquecer o Rolieiro que nesse dia não colaborou fazendo-me desesperar numa estepe fustigada por um vento forte e quente. Que o diga o meu abrigo, que à custa de autênticos "menires" com que o prendi ao solo, não foi parar a terras de Espanha.


EXIF

1/3200s, f/8, ISO640, -0.7Ev
Mode: A, Meter: Matrix, No Flash, Manual WB
Focal: 500mm
Canon EOS 7D

5 comentários:

Hugo de Sousa disse...

Grandes fotos Ricardo!! E excelente artigo... Sei que pode dar mais trabalho, mas porque não traduzires isso para inglês? Tenho a certeza que o blog já tem essa projecção internacional...
Um abraço

João Pereira disse...

Mais um soberbo trabalho Ricardo! Faço minhas as palavras do Hugo de Sousa.
Qual é o horário da tua exposição em Portalegre?
Um abraço
João Carlos Pereira

Ricardo Lourenço disse...

Obrigado Hugo e João. Vou pensar na questão da tradução mas talvez o faça no site.

Em relação à exposição os horários são:

Todos os dias úteis das 9:00 h às 19:00 H.

João Pereira disse...

Não apareceram os Rolieiros, mas a espera foi bem compensada. Grandes fotos, deve ser uma sensação brutal estar tão próximo destas aves e chegar a casa e sentir que as 12 horas não foram em vão ;) Excelente !!

Pedro Silva disse...

Grande trabalho! Uma qualidade fantástica!!